Os parasitas da net

O fenómeno dos blogs deu origem a um subfenómeno parasitário que são aqueles locais na internet que, denominando-se blogs, mais não são do que repositórios de títulos, resumos e links para textos publicados noutros locais. E entenda-se que nem sequer me estou a referir a blogs que funcionam como uma espécie de compilação de conteúdos porque a esses ainda consigo reconhecer-lhes a utilidade de poderem prestar um serviço a quem se interesse por um determinado assunto. Não, eu refiro-me àquelas páginas cujos links aparecem junto dos artigos do jornal Público, na caixinha que a generosidade dos responsáveis pelo site põe à disposição de quem disponibilize conteúdos relacionados com os mesmos temas e que é tantas vezes ocupada, não por blogs válidos cujos autores se dêem ao mínimo trabalho de criação mas sim pelos tais parasitas cujas função e objecto não consigo descortinar.

Por que raio acha alguém que criar posts que têm como único conteúdo um título e um resumo copiado e, pasme-se, uma ligação para a origem, pode ter qualquer tipo de interesse para o público? É que nem para publicidade serve porque, obviamente, quem chega a uma página, e não vê praticamente nada a não ser um "leia mais" que a faz saltar para outro sítio, não vai carregar em nenhuma publicidade, logo, não vai dar nem um tostão (ao menos isso) ao "pirata".

Para quê, então, esta espécie de "intermediários", estes verbos de encher? Vá-se lá saber...

2 comentários:

Oak disse...

Cria trafego...ou sera trafico?

Anónimo disse...

vim ter ao teu blog pelo público, proque será ?