As petições


Esta coisa da internet veio tornal banal um mecanismo de cidadania chamado "petição". Se antigamente, quem quisesse peticionar algo tinha de se dar ao trabalho de andar a palmilhar as ruas e a meter conversa com estranhos agora, com as facilidades cibernéticas, vai-se a um site, põe-se lá um texto e toca a mandar mensagens pedindo que as pessoas assinem a petição. No fim, promete-se, qualquer coisa será enviada a não-sei-quem para que algo seja feito. Pode ser do meu ceticismo militante mas tenho cá a ideia de que esta coisa das petições online não serve para nada. Ele é a renovação do jardim do Príncipe Real, ele é o novo chão do mesmo jardim, ele é as casas em Benfica, ele é o ensino do Português no estrangeiro, ele é os golfinhos no Sado, ele é o isto e o aquilo e até eu, neste mesmo blog já tentei lançar uma petição provocatória para trazer o Mourinho para a Seleção.

A pergunta que faço é: quantas destas petições é que dão nalguma coisa? Se há duas coisas que nunca chegam ao meu conhecimento são: 1) a petição foi entregue - sim ou não?; 2) a petição deu resultado?

Chateia-me isto de andar a "assinar" coisas cujo resultado fica sempre no segredo dos deuses (quando não é demasiadamente óbvio que o esforço foi em vão).

Sem comentários: