O mais desejado...

Já não bastava o mau tempo vir juntar-se à seca das obrigações familiares, ainda por cima uma das poucas coisas boas que o Natal ainda tem, este ano, resolveu não aparecer.

Eu sei que a tradição já não é o que era e que o mundo começa a ficar em pantanas mas... custa assim tanto manter alguns costumes? É só um diazinho por ano, que raio! É que a continuar assim, um dia ainda vamos ter este saboroso amigo a brilhar numa nova edição da "caderneta de cromos" feita pelo filho do Markl...

Uma grande verdade...

Comentário deixado no jornal Público, numa notícia sobre a enésima vez em que um responsável benfiquista justifica as falhas do seu clube com as arbitragens...

“É verdade. O Benfica, é objectivamente importante. Porque a relação entre a sua cantada grandiosidade e a sua real pequenez, conjugada com a real dimensão do seu grupo de simpatizantes, é muito da expressão do nosso país. O Benfica, é hoje um espelho de um certo Portugal, que vive de glórias passadas, na ilusão de uma dimensão que quem vê não reconhece ou identifica, e só existe na visão distorcida de quem só sonha e não concretiza. Tem outra virtude o Benfica, é um imenso território de escárnio, que se ajusta na perfeição, á maledicência sustentada e coerente. O Benfica é bom, para aliviar os males do dia a dia. É excelente, para dizermos mal de nós próprios, como quem fala dos vizinhos. O Porto não. O Porto, suscita, inveja, incapacidade de viver com o sucesso, irracionalidade. O Porto ganha, é uma máquina de triturar, avança indiferente à envolvente. O Porto, não somos nós, é uma realidade alienígena neste país. É a expressão daquilo que não conseguimos ser enquanto país e povo. O Porto odeia-se, porque é a verdadeira mostra do que podíamos ser, se não fossemos tão maus."


Para ver aqui: http://desporto.publico.pt/noticia.aspx?id=1472339

Uma noite feliz!...


...ou não...











(...) previsto no nº8 do artigo 123º do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas e regulamentado pela Portaria nº 363/2010, de 23 de Junho, vimos ao abrigo do artigo 59º da Lei Geral Tributária, para efeitos do nº 3 do artigo 5º da referida Portaria (...)


O Governo resolveu acabar com o "juridiquês". E para quando o fim destes textos do próprio Estado?

Conversa de informático (6)

(...) o código é hand made, pelo software developer, from scratch, tudo do mais straight forward (...)

Uma burka para a Heloísa!

Heloísa Apolónia é uma das caras mais conhecidas do nosso Parlamento. Isto poderia parecer paradoxal já que o seu "partido" ("Os Verdes") tem tanta representatividade no panorama político nacional como a secção de damas da sociedade recreativa do meu bairro. No entanto, o partido ecologista não é mais do que uma espécie de filial do Partido Comunista Português que o utiliza para poder concorrer às eleições como coligação, não sendo assim obrigado a mostrar nos boletins de voto o odioso emblema da foice e do martelo. Um perfeito partido melancia (verde por fora, vermelho por dentro) como o descrevia há muitos anos o bom do Gonçalo Ribeiro Telles, pessoa que, como se sabe, não percebe rigorosamente nada de natureza...

É portanto, como deputada comunista encapotada que a Heloísa aparece frequentemente nas nossas TV's, sempre com um ar indignado e a voz a querer ir "lá para cima", como quem diz, "ou me dão atenção, ou ficam com uma dor de cabeça!". É o PCP, repito, que dá tempo de antena a esta personagem.

E a Heloísa aproveita bem os seus momentos para nos fazer lembrar porque razão a maior parte das pessoas não vota nos comunistas: ontem, por exemplo, esta criatura, deputada da Nação e paga com o dinheiro dos contribuintes (deriva populista aqui...) surgiu indignadíssima (era preciso referir isto?) com o (pretenso) facto de o presidente do BCP-Millennium ter oferecido os préstimos da sua instituição para passar aos EUA informação sobre as finanças iranianas caso fosse permitido ao nosso maior banco privado fazer negócios na terra dos Ayatollas.

Como é que isto pode acontecer?! É preciso esclarecimentos! - diz a Heloísa perante as câmaras. O espetador, mais ou menos a medo, já com as mãos perto dos ouvidos (não vá a indignação subir de tom) concorda: como é que se pode fazer negócios com um país onde a lei islâmica é aplicada, as mulheres são humilhadas e tidas como seres secundários, a pena de morte existe para coisas como o adultério, o apedrejamento é forma de execução, o Estado é tirânico, o regime professa a intolerância religiosa, as mais altas figuras políticas negam publicamente o Holocausto enquanto apelam à extinção física de Israel, etc. e por aí fora?! Não se pode, já se vê! A Heloísa tem razão: é preciso esclarecimentos!

Mas, depressa o ingénuo cidadão se desilude porque a Heloísa entra a matar: "passar informações aos Estados Unidos?!" Então, um banco português oferece-se para passar informações ao regime americano? E, ainda por cima - acrescento eu -, um banco privado!

Por esta altura, o espetador tira mesmo as mãos dos ouvidos e, quer a Heloísa puxe pela voz, ou não, as orelhas têm de cumprir bem a sua função: ouvir o que a mulher diz. O cidadão, até ajuda, para perceber melhor... O problema da nossa deputada não é que o BCP queira lucrar fazendo negócios com o Diabo mas sim que, depois, vá contar coisas aos americanos... A incredulidade instala-se no ouvinte mas, tão depressa como veio, surge-lhe a recordação de que esta mulher pertence ao mesmo grupo de indivíduos que tem como líder parlamentar um rapaz que considerou a Coreia do Norte um "exemplo de democracia". E, aí, fica no ar uma pergunta: não devia esta gente ser mandada para o quinto dos infernos? A Heloísa, por exemplo, ficaria maravilhosa numa burka (lenço só não bastava, era preciso tapar tudo) e, se de caminho a proibissem de falar, não só os homens agradeceriam como o próprio Alah se sentiria no céu.

Em casa de ferreiro...

Estão a ver os carros à esquerda ocupando o passeio?

Estão a ver os carros à direita estacionados em segunda fila?

Estão a ver o prédio lá à frente, iluminado pelo sol? É o comando central da Divisão de Trânsito da PSP.

(...) e nada acontecer. E o que é que acontece? Acontece o que sempre acontece em Portugal (...)


Pedro Adão e Silva, no "Bloco Central" de 11 de Dezembro

Publicidade grafiteira

Na Rua de São Sebastião, as novas instalações do Assuka têm uma das paredes exteriores pintada desta maneira. Gosto.

Pior do que o Emplastro

Depois de andar a passear a sua carinha laroca por programas de TV e de se fazer passar pelo presidente do Sporting, agora temos o Pedro Granger enfiado nos Archive, uma banda inglesa da qual recomendo muito este tema (aqui, tem de carregar aqui).

Este tipo é pior do que o emplastro.

Um traidor na União Europeia?



Há algum tempo, o Público publicava esta notícia com um título verdadeiramente assustador: uma figura chave do atual panorama europeu "afirmava" que a UE estava em risco "de sobrevivência"!

Terá sido um lapsus linguae ou uma ignorância do "jornalista", pelo menos tão grande quanto a atual crise?

O buraco que nos separa da Europa

Tivessem alguns dos elementos da FIFA responsáveis pela eleição do organizador do Mundial de 2018 ficado com problemas na consciência por terem dado a vitória à Rússia e o seu espírito estaria, agora, mais sereno do que numa sessão de meditação Zen. A atual greve dos controladores aéreos espanhóis, selvagem na sua definição (por ser feita sem aviso) e de uma irresponsabilidade e egoísmo sem limites foi a melhor resposta que aqueles que apontavam a derrota da candidatura "ibérica" como fruto de jogadas de bastidores poderiam ter tido. Estas, se as houve, perderam neste momento toda e qualquer importância perante o cenário caótico gerado pelas reivindicações dos profissionais espanhóis.

Era este o país que pretendia organizar a mais importante competição desportiva mundial? Um estado onde, de um dia para o outro, centenas de milhares de pessoas são impedidas de voar (imagine-se isto durante a competição!), milhares de voos são cancelados, países vizinhos são tremendamente afetados na sua capacidade de ligação ao resto do mundo e tudo isto nos é servido com a desculpa de "direitos dos trabalhadores"? Aliás, esta maneira de estar é em tudo equivalente à dos camionistas e dos seus regulares bloqueios, ataques a camiões estrangeiros e outras tropelias de igual calibre.

Para remediar tudo isto, assistimos ainda ao terceiro mundista espetáculo dos aeroportos terem de ser tomados por militares para assegurar o seu funcionamento.

Era este o país ao qual pretendíamos "alugar" o nosso bom nome de nação tranquila e responsável para que pudessem brilhar na ribalta mundial? Uma vergonha!

Em dois dias, profissionais qualificadíssimos conseguiram causar mais transtornos do que uma enorme coleção de atentados terroristas da ETA (aliás, se quisermos falar de vítimas, bastaria ficar pelas causadas pela incompetência e irresponsabilidade verificadas no acidente de avião da Spanair). É gente desta que nos servem diariamente como exemplo?

Para piorar tudo isto, ainda teremos de levar com o nosso insuportável primeiro-ministro dizendo que agora se viu como o TGV é importante. Um mal nunca vem só...
RÚSSIA! RÚSSIA! RÚSSIA!

:))))))))

A candidatura "ibérica" e a prostituição

Ocorre-me que quase todos os argumentos usados a favor da candidatura "ibérica" ao Mundial podem, também, ser usados para defender a prostituição:

1) dá dinheiro
2) não há necessidade de investimento (o corpinho já lá está)
3) não interessa se um fica por cima e o outro por baixo
4) é tudo uma questão de paixão e bolas...
Farmácia "drive in" (upa, upa): o cliente para e pede uma pasta de dentes para a "cárie". O atendedor traz-lhe uma "oral care". "Não é essa", diz o cliente, é a que diz "kids". "O kit..." repete o empregado para si mesmo.

É a mania das estrangeirices...