Pequeníssimas sugestões para melhorar a situação

E pronto, chegou a minha vez. Depois de tanta gente andar por aí editando livros sobre como resolver os problemas do país, é altura de também eu me aventurar no árduo caminho do pensamento construtivo. De bitaites está o mundo cheio (farto, aparentemente não está, porque eles não param de ser dados) e, por isso, tentarei fazer qualquer coisinha melhor do que chafurdar em lugares comuns (que é o que a maior parte das pessoas faz).

A verdade é que basta uma pessoa abrir os olhos para se aperceber imediatamente de imensas coisas que estão mal: na máquina do Estado, no comportamento das pessoas, no funcionamento das instituições (privadas e públicas). Diagnósticos não faltam (embora, como é típico, para cada pessoa o problema seja sempre outro...), soluções - apontam-se algumas mas... quererão mesmo as massas (porque é a elas que cabe executar e sofrer) fazer o que deve ser feito? Temo que não. O cidadão comum é um bronco egoísta incapaz de raciocinar e de tentar ver as coisas "lá de cima". Ninguém está preparado para abdicar de algo para que o próximo prospere e a solidariedade só se manifesta em coisas muito concretas (e, ainda assim, SSE a Sónia Araújo fizer algum apelo na TV). De resto, que se lixem os outros.

Não tenho dúvidas de que a melhor solução para o problema nacional seria o extermínio puro e simples de... para aí um terço da nossa população. Com tantos calões, estrangeirados, vigaristas, corruptos, agressivos, traidores, incompetentes, burros e mais um milhão de defeitos que por esta terra florescem, era preciso cavar um buraco descomunal para por tanto lixo, é certo, mas, no processo, talvez ainda descobríssemos petróleo.

Infelizmente, a falta de verbas para munições, a par de muito sentimentalismo reinante na nossa sociedade, impede-nos de dar curso a este belo sonho pelo que, tendo de conviver com a canalha, há que tentar, pelo menos, minimizar os efeitos da sua existência. É, pois, para isso que irei deixar aqui o fantástico produto das minhas meditações.

Aguardem ansiosamente (mas não vão já a correr para os ansiolíticos)...

Sem comentários: