O milagre de Natal

Há quem diga que eles não existem (os milagres) mas eu acabo de ver um. Mais do que ver, eu fui "vítima" de um. Um colega de trabalho que, em meses de casa, nunca teve sequer a delicadeza de me cumprimentar de manhã (sou a única pessoa na empresa, quando ele chega), acaba de vir ter comigo para me desejar um bom Natal. Com direito a aperto de mão e tudo!

E uma pessoa fica desarmada perante este "espírito natalício", não? Faz-se o quê? Manda-se as pessoas bardamerda? Depois dizem que somos mal-dispostos, mal-educados, mal-com-a-vida, mal-fodidos e mal-paridos. E tudo isso pode até ser verdade mas este tipo de pessoas merece que lhes atiremos às trombas a puta da sua hipocrisia.

Eu sei, é Natal e não se leva a mal. Nunca tinha ouvido esta coisa senão no Carnaval mas hoje já a ouvi/li duas vezes e isso talvez tenha a ver com a crise que põe os nervos das pessoas em franjas e as obriga a sacar de frases feitas e roubadas a outras ocasiões para tentar acalmar os ânimos nas hostes de dentes a ranger. Os meus também rangem e é, sobretudo, de frio porque o meu chefe - o mesmo que andou a distribuir por nós caixas com garrafas de vinho -, não liga o aquecimento da casa e se está marimbando para a visão dos empregados de casacões vestidos ou mantas sobre os joelhos. Mas estamos no Natal e é preciso mostrar que se é um gajo porreiro, seja oferecendo vinho ou bacalhau de cinco dedos. No resto do ano, morre-se à fome e à sede. É a crise...

1 comentário:

60 Sinais disse...

Não te podia censurar uma leve "cara de parvo" (arregalar sobrolho e franzir o nariz de espanto) como resposta...há pessoas que funcionam a pontapé, outros funcionam a natal...ao menos funcionou =)
Boas festas*